Um grande ator fala de Jesus

TÍTULO

O AMOR TEM UM ROSTO

AUTOR

MICHAEL LONSDALE

Michael Lonsdale, um ator de renome internacional partilha, através desta obra, a sua experiência extraordinária e inspiradora de fé. Trata-se de um percurso autobiográfico desde a infância até a atualidade, que ele descreve com uma simplicidade que transborda serenidade e não tem receio de assumir a sua condição de crente e dar testemunho.

O autor revela-nos este percurso referindo que foi profundamente tocado por Deus através:

Evangelho
“Em toda a minha vida, aquilo que li mais verdadeiro foi o Evangelho. A palavra de Jesus é a mais justa, a que suscita mais vida. É fonte de bondade, de generosidade entre os seres humanos. E esta generosidade, este cuidar dos outros em primeiro lugar,  toca-me profundamente. Acredito nesta dádiva de si, herdada de Jesus [..]”

Encontro com o outro
“Eu sinto a sua presença [Deus] através dos seres humanos que encontro, em muitos acontecimentos … A mensagem de Cristo passa primeiro pelo amor do próximo. Todo o ato de amor é Deus. As relações humanas dizem-nos qualquer coisa de Deus, desde que sejam boas, generosas. Saber que Deus está em todas as pessoas é uma responsabilidade sagrada e uma felicidade incrível: todo o encontro merece ser vivido. Nós podemos viver com o cuidado da felicidade do outro. E é Deus que passa.”

A Arte
“Arte e [a] fé estão intimamente ligadas. […] Para mim, que sou sensível à expressão artística, a arte é uma forma de Deus. A beleza é um dos nomes de Deus. Fui muitas vezes testemunha disso: a beleza, a emoção, podem levar à fé. Conheci pessoas que se converteram ao ouvir Mozart ou Bach. Outros entraram na catedral de Chartres e caíram de joelhos. A sensibilidade torna-nos permeáveis à dimensão espiritual, e a fé pode agarrar-nos na volta de uma emoção. Seremos sempre surpreendidos pelo imprevisto de Deus.”

A Oração
“A oração é para mim como que uma respiração. Eu não penso em rezar, eu rezo! Não tenho necessidade de dizer para mim «agora, vou rezar»: é uma disponibilidade interior, uma proximidade permanente com Jesus, não formulada. Uma espécie de estado íntimo constante que não tem nada a ver com uma oração reduzida a um encontro de agenda.”

Esta caminhada espiritual tem a sua concretização, enquanto ator, como se pode constatar na interpretação, do filme “Dos homens e dos deuses”, enquanto irmão Luc quando afirma que “o irmão Luc foi um dos mais belos papéis que representei na
minha carreira: é um ser de pura generosidade, uma das mais belas trajetórias da fé que eu conheço.” Este filme nos fala de amor, música, oração e de paz despertando o melhor da humanidade pelo respeito entre povos e religiões.

Michael Lonsdale, através da sua coerência de vida convida-nos a sermos testemunhas autenticas de Deus Amor quando diz que a “fé é um tesouro que se transmite, e a minha maneira de a partilhar passa pela cena. Já não é um trabalho: é a minha maneira de responder ao apelo de Cristo.

[…] somos todos convidados a testemunhar a nossa fé: quando saímos das nossas celebrações dominicais, deveríamos estar despertos e vivos. Isso deveria ver-se nos nossos rostos… A fé dá-nos vontade de amar a Deus e de amar os nossos irmãos. Porque é que já não somos alegres, generosos, amorosos? A nossa adesão deve ser completa: é a nossa maneira de ser que deveria ser literalmente trespassada pela nossa fé em Jesus. O nosso coração só espera por essa centelha, mas somos demasiado prudentes. É preciso despertar os corações, pois é o amor que salvará o mundo!”  


POR AGOSTINHO FARIA, USADO COM PERMISSÃO. PUBLICADO EM WWW.IMISSIO.NET, EXCERTOS EXTRAÍDOS DE O AMOR TEM UM ROSTO, DE MICHAEL LONSDALE, PUBLICADO POR PAULINAS EDITORA, LISBOA